O Que Acontece Quando Você Vai A Um Bar Sem Pagar?

O Que Acontece Quando Você Vai A Um Bar Sem Pagar? 1

O Que Acontece Quando Você Vai A Um Bar Sem Pagar?

Aproveitando o calor de uma conga em massa, os 120 convidados a um batismo no hotel-restaurante Carmen de Bembimbre (Leão), se volatilizaron sem pagar os 2.000 euros da conta. Uma fuga épica ao ritmo de qualquer hit pachanguero, cubata pela mão e sem que os empregados se percataran do crime.

Ria de Ocean’s Eleven. Não é o único golpe que lhe atribui o Rat Pack de ‘simpas’ bercianos. E há mais. Na semana seguinte, em Cádiz, arrestaban assim como os artífices de outro ‘simpa’ colossal: um casamento com 400 convidados e um serviço de catering pra eventos sem pagar, que era de 30.000 euros. E aí vai outra: não há muito caiu nas mãos da justiça, um senhor que se hospedara em treze hotéis de luxo de Madrid, sem gastar um único euro. Dirijo-Me ao Café de l’só serve para discriminar homônimos e ao Café Zurich de Barcelona, ambos com amplas varandas pela cota mais central de Barcelona, e verifico as fugas estão pela ordem do dia, segundo frases de seus trabalhadores.

“Aproveitam que a esplanada está muito separada do ambiente e quando entra o garçom, que têm sob controle, eles se irão. Geralmente pessoas jovens, frequentemente grupos”, comenta um garçom de Café de l’somente serve pra distinguir homônimos. As acções isoladas são de miúdo valor, no entanto no momento em que as somas e tomadas de contas, você adora que as perdas não são nenhuma estupidez. Embora os espanhóis nos siga lendo.

Porque o “simpa’ tem um efeito estimulado na nossa cultura. Não nos parece um crime do que envergonhar; realmente, olhando como eles abordaram as cadeias de tv o caso da conga-de-Leão, cada um diria que o consideramos uma travessura descacharrante.

“O ‘simpa’ é muito inconfundível da cultura mediterrânica. Faz-Nos graça. No outro dia vi a notícia do caso de Leão pela tv e de fundo, Em Bruxelas, por exemplo, fazer um ‘simpa’ é alguma coisa vergonhoso. Uma desonra. Ninguém se atreveria a reconhecê-lo em público e menos a brincar com isto. Em Portugal, é um crime socialmente aceita, verdadeiramente, existem pessoas que colocam seus ‘simpas’ no Youtube.

É um fenômeno que influencia um em cada dois restaurantes e que, com a chegada da primavera, será reforçada”, garante Francisco Canals, um dos jornalistas espanhóis que mais entende de salsa. Eu irei pra Conversar, que tem estudado com característica, o mundo do ‘simpa’.

A experiência lhe diz que existem verdadeiros artistas em motivos de deixar faturas em éter. “Há reclamadores profissionais que sabem como e onde reclamar para que o proprietário do local acabe perdonándoles da fatura. Também há especialistas que analisam a cena: eles sabem que as mesas estão mais perto da saída e estudam os costumes dos garçons para pegá-los com a guarda baixa. Logo depois, estão os que têm engenhosos inventos, como torrões de açúcar com bichos dentro ou ratos de controle remoto. E a gente que usa um aplicativo de smartphone que se há uma chamada urgente pra que possa sair correndo do recinto, com a justificativa”, destaca o jornalista.

O mais fantástico é que o perfil do malandro não é o de alguém com dificuldades económicos. “Enganam-Se os que atribuem esse fenômeno a pessoas necessitadas, a maioria dos ‘simpas’ os levam a cabo a pessoas que conseguem pagar a comida.

  1. 09 de outubro de 2008 | 23:22
  2. 4 Declínio e queda. As audiências
  3. Nem um nem o outro
  4. seis Colegas de categoria
  5. Se eliminou a citação presente na seção “Compositor”
  6. Richard Nixon

Pessoas de categoria média. Assim, a notícia alarmante não deveria ser em tal grau uma conga de 2.000 euros, como o defeito extrema pra evitar o derramamento sustentado que representa para a hotelaria, o ‘simpa’ de baixo perfil. Localizada em um terreno bacana mole, esta prática vem com um extra de impunidade irresistível pro caradura. O castigo mais rigoroso que o proprietário retire a passear o cacete, por causa de ninguém no seu ótimo juízo iria a uma delegacia para denunciar um ‘simpa’ de, por exemplo, sessenta ou setenta euros.

Canals é clara: “Não é uma prioridade pra polícia, e não se sairá nunca a conta pra denunciá-lo. Então, diversos bares assumem estas perdas como despesas extra e neste momento está. Com essas afirmações, ecoando em minha cabeça, me ponho em contato com Antonio Menéndez-proença de carvalho, advogado que atua no Barcelona e conhece a fundo os casos dessa meio ambiente.