“A Posse Não É Feita Para Um Feedback Negativo”

"A Posse Não É Feita Para Um Feedback Negativo" 1

“A Posse Não É Feita Para Um Feedback Negativo”

“Pela primeira vez há uma expectativa real de que exista governo. Esta semana pode ser muito significativo pra que se acabe com qualquer pergunta. Mas isto não depende só do PP, esta é uma legislatura de responsabilidade compartilhada”, considerou Bermúdez de Castro, em alegações à rádio vaticano, obtido pela reuters.

“A investidura é feita para formar governo, não é feita para que exista uma votação negativa e terceiras eleições. Estamos a tentar descobrir que não seja uma investidura frustrada, no entanto que dê como resultado um governo. É fundamental que tenha uma data de investidura, no entanto o Rei não encomendou a Rajoy um debate, no entanto um acordo para que a investidura vai prosseguir”, explicou.

  • Um Da Coleção Real
  • Chile volta à democracia; Patricio Aylwin presidente
  • Em Barcelona, Maragall (ERC) se apoderaram da Prefeitura Ada Colau por 5.000 votos
  • Abandono da antiga tradição do leigo especialista na oração

Agora é tempo de fortificar estes acordos que já existem. E, chegados a este ponto, permitam-me que me detenha o desafio mais dramático do que Portugal tem agora e que influencia a tua unidade, a soberania nacional e da igualdade de todos os espanhóis.

refiro-Me ao estímulo separatista que alguns estão propondo na Catalunha. É bem conhecida a minha posição. A expus com percepção no debate do dia 30 de agosto. 1. Que o único povo soberano em Portugal é o que cumpre a totalidade dos espanhóis.

2. Que ninguém -nem ao menos o governo, nem sequer as Cortes Gerais, nem ao menos cada outro poder do Estado, nenhum – pode privar o público português de teu direito exclusivo, repito, exclusivo, pra decidir sobre isso seu futuro, nem sequer a respeito do teu território. E asseguro-lhes, senhoras e senhores deputados, que cumprirei com essa obrigação, e que eu irei buscando a toda a hora o discernimento entre os grupos que compartilham a defesa dos princípios que impõe a Constituição. Nestes anos eu mantive e mantenho a minha insistência pro diálogo e a cooperação com a Generalitat da Catalunha.

Tenho procurado ceder resposta às necessidades reais dos catalães, visto que o que lhes diz respeito, me incumbe e que me importa. Avaliei a toda a hora a sua inteligência de acolhimento, a tua prática e na sua diversidade, como um elemento que compõe e enriquece a nossa.

E estou disposto a buscar fórmulas que encaixem melhor a necessária solidariedade inter-regional. Mas o primeiro passo para soluções que sejam mais justas passa pelo respeito à legalidade e aos direitos de todos os espanhóis. Os temas que não eram urgentes acabaram sendo urgentes e os que neste momento o eram, o são ainda mais.

Sendo assim, nos próximos dias, se vocês me dão a tua segurança, á remetido a ambas as Câmaras, os objetivos de estabilidade orçamental e a dívida pública, como este o limite de gastos não financeiros do Estado. Estas matérias reclamam também o nosso acordo, contudo o ciclo orçamentário não acaba por aí. Não preciso esclarecer-lhes que as contas do Estado são a peça-chave da política econômica de nosso estado.